18/09

Fertilizantes aumentam produtividade das lavouras

Quando avaliamos o desenvolvimento da agricultura brasileira nos últimos 40 anos, verificamos que o Brasil deixou a condição de importador de alimentos para se tornar um dos principais produtores mundiais.

O aumento de produção e produtividade são os maiores destaques do setor agrícola brasileiro. Entre 1975 e 2017, a produção de grãos, que era de 38 milhões de toneladas, cresceu mais de seis vezes, atingindo 236 milhões, enquanto a área plantada apenas dobrou. 

Em 1977, o Brasil produzia 46.319 toneladas de grãos em uma área de 37.319 ha. Em 2017 foram produzidas 237.671 toneladas de grãos em 60.890 ha. Em 1977 eram retiradas 1,27 toneladas para cada hectare. Em 2017 esse valor passou para 3,90 toneladas para cada hectare. Isto revela o quanto a agricultura brasileira se tornou mais eficiente. Se o Brasil estivesse produzindo, atualmente, a mesma produtividade de 1977, haveria necessidade de abrir, ou desmatar, uma área aproximada de 160 milhões de hectares.

A avaliação dos dados de evolução da produção de grãos no Brasil é acompanhada de maneira muito próxima pelo consumo de fertilizantes, explica o engenheiro agrônomo e professor do curso de especialização em manejo do solo da ESALQ/USP, Valter Casarin. “Isso permite atribuir ao uso de fertilizantes como um dos fatores tecnológicos que favoreceu o aumento de produtividade das culturas agrícolas brasileiras”.

Em relatório da Embrapa, foram atribuídas a correção e adubação de solos como um dos principais fatores para os elevados patamares de produtividade da agricultura brasileira. O uso de fertilizantes se tornou um elemento-chave. O salto da produção resulta, principalmente, da melhoria no uso de insumos com efeitos diretos sobre a produtividade. O consumo de fertilizantes passou de dois milhões de toneladas, em 1975, para 15 milhões de toneladas, em 2016.

Tendo em vista esses números, Casarin conclui que o manejo nutricional dos solos brasileiros, principalmente da região do Cerrado, é responsável pela maior produtividade das culturas, gerando a produção de alimentos, mas também contribuindo para a preservação de florestas, e, em consequência, para a preservação da fauna e da flora dos diversos biomas do Brasil.

Para que isso aconteça, é importante lembrar de fazer a análise química de solo, com posterior recomendação de adubação feita pelo Engenheiro Agrônomo, que realiza a dosagem correta de fertilizante para cada cultura, evitando perda de produção por sub dosagem e reduzindo custo em caso de superdosagem.