11/03

Com crise entre China e EUA, Brasil pode liderar produção mundial de soja

Enquanto no Brasil a safra 2018/19 de soja apresenta crescimento de 1,7%, nos Estados Unidos, líder de mercado de exportações do produto, os números apontam para uma redução de 5% na produção. Essa estimativa é o resultado das incertezas sobre as chances de um acordo na guerra comercial com a China.

Para os produtores brasileiros, essa é uma notícia importante. No ano passado o país vendeu um recorde de 69 milhões de toneladas para a China, ocupando uma boa fatia do mercado americano.

E se a relação entre Estados Unidos e China continuar tensa, o Brasil poderá se tornar o maior produtor de soja para a safra 2019/20. Se o clima colaborar e o número de área plantada se mantiver, na casa dos 37 milhões de hectares, o país irá produzir em torno de 130 milhões de toneladas de soja.

Nos últimos três anos, os americanos diminuíram suas áreas de plantio, baixando a produtividade. Levando isso em conta, o desempenho para as safras deste ano e do próximo terão um resultado de 125 a 128 milhões de toneladas, abaixo dos números brasileiros.

Queda na exportação de soja americana

O mercado chinês era o principal comprador da soja americana. Nem mesmo os outros países compradores compensam a perda de vendas para a China. Na temporada 2018/19, os Estados Unidos preveem exportar no total 23,7 milhões de toneladas de soja, 13,5 milhões a menos que na safra 2017/18.

Foto: Freepik