27/02

Benefícios dos fertilizantes fosfatados

Fertilizantes fosfatados são produtos oriundos da extração, moagem e/ou tratamento de rochas ígneas ou sedimentares que apresentam concentração considerável do elemento químico e macronutriente de plantas, o fósforo (P).

O principal benefício do uso de fertilizantes fosfatados é o fornecimento do fósforo visando a nutrição de plantas, complementando o que o solo não fornece e com isso atendendo a demanda das culturas e a expectativa de rendimento.

Os principais benefícios dos fertilizantes fosfatados são:

  1. Fornecimento de P visando a nutrição de plantas.
  2. Muitos fertilizantes fornecem P prontamente disponível às plantas, ou seja, P solúvel.
  3. Há novas tecnologias em fertilizantes que permitem fornecer P de forma gradual às plantas, o que reduz de maneira importante, por exemplo a adsorção às argilas. 
  4. Há diversos tipos de fertilizantes com diferentes concentrações de P, podendo-se destacar o MAP, DAP, SFS, SFT, fosfato natural parcialmente acidulado, fosfato natural, fosfato natural reativo, termofosfato magnesiano, escória de Thomas, farinha de ossos e por fim os próprios adubos formulados NPK.
  5. Essa diversidade de fertilizantes fosfatados permite melhor tomada de decisão com relação à cultura, dose e local de aplicação do P.
  6. Nutrientes como o N, K, Ca, Mg e S, além de micronutrientes podem estar associados aos fertilizantes fosfatados.
  7. Uma adequada adubação fosfatada maximiza o processo de fotossíntese e a produção de energia (ATP), promove o crescimento de raízes, a maturação dos frutos, a formação de grãos e o vigor da planta.
  8. Uma correta recomendação de adubação fosfatada (formulação, dose e modo de aplicação) permite redução do custo de produção, de impactos ambientais e aumento da produtividade das culturas.

Como funciona o fósforo no solo

Apesar das plantas necessitarem baixos teores de P para sua produção, a dose de fósforo aplicada às culturas é elevada, o que ocorre devido a adsorção específica (fixação) do P nos óxidos de ferro e alumínio que ocorrem nos Latossolos do Brasil, o que torna este macronutriente pouco móvel no solo, ou seja, onde ele é aplicado, tende ali permanecer. 

Conforme explica o Engenheiro Agrônomo, Doutor em Agronomia e professor do curso de Agronomia da Uceff de Itapiranga, Anderson Clayton Rhoden, quando o produtor rural aplica o fertilizante fosfatado no sulco de semeadura da cultura, depositando-o abaixo e ao lado da semente, principalmente os fosfatos solúveis e de rápida liberação, o P acaba sendo solubilizado pela água e vai à solução do solo na forma de H2PO4- e HPO42-, formas que reagem no solo e também que a planta absorve. Nesta condição o P pode ser absorvido pelas plantas, imobilizado nos microrganismos do solo (biomassa microbiana) ou adsorvido às argilas, especialmente nos óxidos e hidróxidos de ferro. A ligação do P no solo ocorre em variados níveis de energia, o que compromete a disponibilidade para as plantas.

“Quando o solo apresenta baixo teor de matéria orgânica e/ou pH menor que 5,0, a energia de ligação do P aos óxidos aumenta, o que torna o P indisponível para as plantas, daí a necessidade de reduzir o contato do fertilizante fosfatado com o solo”, orienta Rhoden.

O mecanismo de movimentação do P no solo é por difusão, e para tal, é necessário haver água para dar condição de deslocamento do P em direção às raízes. O processo de difusão ocorre pelo deslocamento do P do meio mais concentrado, próximo dos grânulos do fertilizante, para o meio menos concentrado, próximo das raízes das plantas. “Cerca de 94% do P que a planta absorve é por difusão, e para tal, é necessário haver água no solo e P concentrado próximo do sistema radicular, o que criará a condição para deslocamento do P em direção ao sistema radicular”, explica o profissional.

Como os fertilizantes fosfatados aumentam a eficiência das culturas?

Toda cultura tem seu potencial produtivo maximizado quando todos os fatores de produção estão em quantidade satisfatória para atender a demanda das plantas. Segundo alguns autores, para se produzir é necessário que 52 fatores estejam em condições adequadas, sendo o P um dos mais importantes e que interfere diretamente no sucesso da cultura.

O Engenheiro Agrônomo esclarece que para ter aumentada a eficiência das culturas é relevante que o solo tenha alto teor de P na camada de 0 a 20 cm de profundidade, o que estimulará as raízes a crescer em profundidade na busca por água, P e outros nutrientes, resultando num sistema radicular profundo e vigoroso. O fertilizante fosfatado deve disponibilizar o P para as plantas conforme a demanda e marcha de absorção, o que maximiza o crescimento das plantas, o processo de fotossíntese e a produção de energia.

Alguns fertilizantes fosfatados apresentam outros nutrientes importantes para as plantas, tal como o cálcio (Ca) que auxilia na absorção de P, maximizando o crescimento das raízes e a formação das membranas. O P também promove aumento na eficiência de uso da água pelas plantas. Solos com baixos teores de P e adubação aquém da necessidade da cultura caracterizam um ambiente de baixa capacidade produtiva.