18/02

Artigo técnico – AVALIAÇÃO DE SEMENTES DE MILHETO NO CULTIVO DE TRICHODERMA SPP

A produção massal do agente de biocontrole constitui uma das etapas mais importantes no desenvolvimento de biofungicidas. O gênero Trichoderma spp. tem sido indicado para fins de controle biológico de patógenos de plantas, sob condições de campo, sendo uma estratégia utilizada por não causar danos ao meio ambiente.

Para o crescimento do fungo tem sido utilizado o substrato arroz parboilizado. Tem-se procurado substituir o arroz parboilizado por outro substrato que apresente o mesmo potencial de cultivo para Trichoderma spp. e que seja mais barato. Para isto, testaram- se sementes de milheto, adotando-se diferentes tempos de quebra, devido a não uniformidade das sementes. Foram utilizados 30 g de substrato, depositados em Erlenmeyer (250 mL), contendo 18 mL (60% p/v) de água destilada em cada uma das repetições dos tratamentos 1 (arroz parboilizado) e 2 (sementes inteiras de milheto). Os tratamentos 3, 4, 5, 6, 7 e 8 foram triturados por 0, 2, 4, 6, 8 e 10 segundos, respectivamente, em liquidificador marca “Waring commercial”, na velocidade baixa. A esses tratamentos foram adicionados 24 mL (80% p/v) de água destilada por repetição, sendo em seguida autoclavados. O inóculo semente foi preparado a partir de placas com o isolado CEN 257, em meio BDA, pertencente à Coleção de Fungos para Controle Biológico de Fitopatógenos da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. A incubação ocorreu a 25°C, por 7 dias. Após esse período, fez-se a avaliação do crescimento de Trichoderma spp. através de contagens de esporos com câmara de Neubauer.

Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey, ao nível de 5% de probabilidade. De acordo com os resultados, o substrato semente de milheto apresentou maior formação de esporos que o arroz parboilizado. Na umidade de 80%, sem quebra das sementes de milheto, proporcionou maior formação de esporos, entretanto, não diferiu do tratamento 7, com 8 segundos de quebra. Os outros tratamentos foram estatisticamente semelhantes. O milheto é outra alternativa que pode ser utilizado como substrato para cultivo de Trichoderma.

INTRODUÇÃO

O controle biológico pode ser definido como sendo o controle de um microrganismo através de outro microrganismo (BETTIOL e GHINI, 1995). Assim sendo, os componentes do controle biológico são o patógeno, o hospedeiro e o antagonista, sob a influência do ambiente, todos interagindo num sistema biológico.

A partir do trabalho pioneiro de Weindling (1932), constatou-se a capacidade de Trichoderma lignorum (Tode) Harz parasitar importantes patógenos de solo em culturas. Desde então, vários trabalhos foram desenvolvidos, visando à utilização de espécies do gênero Trichoderma, para fins de controle biológico de patógenos de plantas. Homer et al. (1972), realizaram o primeiro experimento de biocontrole, sob condições de campo, usando este antagonista. O Trichoderma, habita especialmente solos orgânicos, é eficaz no controle de fitopatógenos de solos, principalmente os que desenvolvem com estruturas de resistência, estas consideradas difíceis de serem atacadas, como esporos, escleródios e microescleródios. Em culturas de feijão e soja, sob condições de campo, tem sido uma estratégia utilizada por não causar danos ao meio ambiente.

A produção massal do agente de biocontrole constitui uma das etapas mais importantes no desenvolvimento de biofungicidas (GOMES et al., 2006). Os fungos antagonistas devem ser facilmente cultivados em meios disponíveis e não ser exigentes em seus requerimentos nutricionais, possibilitando que grandes quantidades de inóculo possam ser preparados (WOOD e TVEIT, 1955). Com a finalidade de obter a produção de conídios de fungos em larga escala, tem se utilizado produtos vegetais de baixo custo, especialmente grão de arroz (LEITE et al., 2003). A eficácia do arroz parboilizado já foi constatada, por exemplo, por Borges Neto et al. (2004) para a obtenção de inóculo de Fusarium graminearum e Dicyma pulvinata (MELO, 2006).

Para o crescimento do Trichoderma spp. tem sido utilizado o substrato arroz parboilizado, na umidade de 60% (p/v) (GOMES et al., 2006; MELO, 2006). Tem-se procurado substituir o arroz parboilizado por outro substrato que apresente o mesmo potencial de cultivo do fitopatógeno e que seja mais barato. Testes preliminares com milheto, mostrou que a umidade ideal para esse substrato seria de 80%.

O trabalho teve como objetivo testar sementes de milheto no cultivo para Trichoderma spp.

MATERIAL E MÉTODOS

Foram testadas sementes de milheto, adotando-se diferentes tempos de quebra, devido a não uniformidade das sementes.

Utilizou-se 30 g de substrato, colocados em Erlenmeyer (250 mL), contendo 18 mL (60% p/v) de água destilada em cada uma das repetições dos tratamentos 1 (arroz parboilizado) e 2 (sementes inteiras de milheto). Os tratamentos 3, 4, 5, 6, 7 e 8 foram triturados por 0, 2, 4, 6, 8 e 10 segundos, respectivamente, em liquidificador marca “Waring commercial”, na velocidade baixa. A esses tratamentos, adicionaram-se 24 mL (80% p/v) de água destilada, por repetição, sendo em seguida autoclavados.

O inóculo semente foi preparado a partir de placas com o isolado CEN 257, em meio BDA, pertencente à Coleção de Fungos para Controle Biológico de Fitopatógenos da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. A incubação ocorreu a 25°C, no fotoperíodo de 12 horas, por 7 dias.

Após esse período, os esporos foram extraídos com uma solução aquosa de Tween (0,05%). Fez-se a avaliação do crescimento de Trichoderma spp., através de contagens de esporos com câmara de Neubauer.

O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com três repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey, ao nível de 5% de probabilidade.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

De acordo com os resultados, o substrato semente de milheto apresentou maior formação de esporos que o arroz parboilizado. Isso pode ser um indicador da possibilidade de utilizá-lo como substrato para o crescimento do Trichoderma.

Na umidade de 80%, sem quebra das sementes de milheto, proporcionou maior formação de esporos, entretanto, não diferiu do tratamento 7, com 8 segundos de quebra. Os outros tratamentos foram estatisticamente semelhantes. Verificou-se que não há necessidade de quebra de sementes de milheto, visto que o tratamento 3, apresentou melhor resultado. Portanto, os diferentes tamanhos da semente não influenciaram no experimento, sendo desnecessário esse procedimento.

Gomes et al. (2006) encontraram os maiores valores médios de número de esporos/mL de suspensão com Trichoderma atroviride nos substratos a base de arroz e de palha de arroz umedecida com caldo de batata. Já Lucon e Koike (2004).encontraram em farelo de trigo com trufa e arroz com casca os melhores substratos de crescimento para o Trichoderma spp.

 

Autores

Menêzes, J.E. Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília-DF, Brasil,

Souza, R.C. Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília-DF, Brasil,

Marques, G.A.Souza Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília-DF, Brasil,

Silva, J.B.T. Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília-DF, Brasil,

Mello, S.C.M.

Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília-DF